Andar de bicicleta pode ser uma brincadeira de criança, um momento de lazer ou um programa de domingo com a família. Mas para muitos, esse esporte vai muito além de uma brincadeira.

Tem quem curta pedalar no asfalto e os apaixonados por terra e montanha. E é justamente desses últimos que valor falar um pouco, daqueles que adoram mountain bike e não perdem as principais competições do país.



E para quem quer iniciar nesse esporte, fica a dica: Precisa ter raça para passar por terras, poeiras, rios, lamas e muito mais.

Recentemente aconteceu em Mariana, Minas Gerais competição raiz que tira o conforto de qualquer ciclista e não alivia nem para os veteranos.

Se imagine pedalando debaixo de um temporal, passando por trechos com água até a cintura e ainda ter que encarar muita, mas muita lama. Pois é, bem vindos ao Iron Biker Brasil 2018.

 

Iron Biker

A história começa em 1989, quando o MTBC(Mountain Bike Clube de Belo Horizonte) foi criado e as competições começaram a serem realizadas.

Em 1993, após o sucesso das competições ter impulsionado o esporte, foi criado o Desafio das Montanhas que hoje é conhecido como Iron Biker.

O Iron Biker é a maior prova de Mountain Bike do Brasil e a primeira no mundo com o formato de maratona.

E depois de quase 3 décadas, o Iron continua evoluindo e vendo a evolução dos equipamentos e do nível técnico dos competidores.

 

Iron Biker 2018

O Iron Biker de 2018 foi realizado nos dias 13, 14 e 15 de setembro, na cidade de Mariana.

No dia 13, foi realizado a entrega dos kits, nos dois dias seguintes foram realizadas as provas.

A competição conta com 2 circuitos: O reduzido, que somando os dois dias possui 112 Km e o completo, que somando os dois dias possui 160 Km.

A prova passa por terrenos dois mais diversos como ruas, estradas e trilhas, e o trânsito normal de veículo não é interrompido, ou seja, o ciclista ainda precisa ficar atento as leis de trânsito.

Além de subidas e descidas bem íngremes, os competidores tiveram a companhia de muita chuva que dificultou em algumas partes.

João Guilherme Porto , de 37 anos, participou do seu quarto Iron seguido e contou como a lama atrapalhou bastante dessa vez:

É o quarto Iron seguido que eu participei, todos sempre tem a sua dificuldade, alguma diferença em relação ao percurso anterior e esse foi diferente de todos os outros três que eu havia participado em função da quantidade de lama causada pela chuva das madrugadas anteriores aos dois dias de prova. O primeiro dia foi um percurso tranquilo, mais rápido, um pouco escorregadio em função da chuva e o segundo foi um dia em que a técnica foi deixada de lado e teve que ser tudo superado pela raça, pela vontade de terminar a prova porque em alguns trechos a gente chegou a ter que caminhar por mais de 2Km empurrando a bicicleta na lama, porque não tinha a menor condição de andar. Então trouxe uma dificuldade maior, um desafio maior, mas a sensação, quando você termina foi melhor, da aquela sensação de vencer os desafios e não deixar os obstáculos te superarem.

NEREA Resgate

 

Mesmo com muito preparo, acidentes acontecem, ainda mais quando as condições climáticas favorecem o desgaste dos competidores.

Para garantir a segurança dos ciclistas em uma prova tão técnica e exigente, os organizadores contaram mais uma vez com a presença da equipe NEREA Resgate.

Por ser um evento muito grande, a logística por trás da equipe de resgate é bem complexa. Nilton NEREA, que coordenou a equipe, contou um pouco como foi a organização nos bastidores:

Nós da NEREA, coordenamos todo os resgate do evento, tanto em pista com nossa equipe, mais as equipes de saúde quanto o posto médico. Esse ano tivemos uma equipe de resgate em áreas remotas de 24 socorristas, divididos em 6 motos, 3 jipes, 2 pontos fixos e uma ambulância. Além das equipes de saúde da prefeitura de Mariana  e ambulâncias contratadas.

Nossa preparação começa 1 ano antes, e se intensifica 1 mês antes. Montamos um SGS NEREA – Sistema de Gestão da Segurança da NEREA para o evento, contemplando os pontos críticos, rotas de fugas, levantamento detalhado do percurso, locais de apoio até mesmo locais para pouso de helicóptero.

 

A lama não dificulta a vida apenas dos competidores, graças as intempéries a equipe de resgate também não teve vida fácil:

Com as chuvas de madrugada e na parte da manhã dos dias de corrida, nosso trabalho aumentou significativamente, tanto em atendimentos quanto em logística. Tivemos que acionar o plano B dos trajetos uma vez que em alguns locais os jipes não passavam mais. Isso tudo já estava levantado e escrito, o que facilitou muito nossas alterações.

José Geraldo Alfenas, de 66 anos, um dos participantes do Iron e se sentiu muito seguro com a presença da equipe

É muito importante o apoio da NEREA, porque você anda confiante que se acontecer alguma coisa você vai ser resgatado, você vai ter toda a assistência. É uma equipe que está sempre bem treinada, está sempre em todos os pontos perguntando se você está bem.

 

Resultados

Depois de dois dias desgastantes de prova, os competidores querem saber o rendimento que tiveram para buscar a superação em uma competição futura, então segue os resultados da competição Iron Biker 2018:

 

RESULTADOS

 

Inscrições 2019

Alfenas, em determinado momento da prova disse que seria o último Iron:

Teve hora que eu falei que eu nunca mais participava daquilo, mas já até fiz a inscrição do ano que vem.

No momento em que você se depara com obstáculo, o pensamento de desistir é grande, mas após supera-lo você sai revitalizado, então faça como Alfenas e garanta a sua inscrição para o próximo Iron Biker:

 

Inscrições 2019