Um dos destinos mais famosos da América Latina é Machu Picchu, que está localizado no Peru e foi o destino da viagem do empresário Márcio Andrade do Vale e sua esposa, Cecília Luciana Resende.

Apesar do destino principal ser o sítio arqueológico mais conhecido da civilização Inca, ele conta que o país como um todo chamou muito atenção:

Não escolhemos apenas Machu Picchu e sim o país(Peru), pois possui uma natureza exuberante, além dos diversos sítios arqueológicos Incas, como: Qorikancha, Sacsayhua, Q’Engo, Puka Pukara, Tambomachay, Ollantaytambo e é claro o principal e maior que é Machu Picchu.

 


 

Machu Picchu

Para quem não conhece a cidade perdida dos Incas mais famosa do mundo, Machu Picchu é um sítio arqueológico que foi construído no século XV. Por ser mundialmente conhecido e historicamente importante, o local é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO.

Por ter sido encontrada apenas em 1911, o local se deteriorou muito e apenas 30% das construções estão em seu formato original. Bem organizada e dividida em área agrícola e área urbana, a qualidade das estruturas mostram um pouco da capacidade do Povo Inca.

Segundo a história da civilização, Machu Picchu foi planejada para a passagem do Deus do Sol.

Márcio fala que a aclimatação em relação a altitude aconteceu antes de Machu Picchu e em um ponto mais alto, então não teve problemas em relação a isso:

Desembarcamos em Cusco que tem uma altitude um pouco maior que Machu Picchu. Cusco tem 3399m(Machu Picchu está a 2400 metros de altura), onde ficamos por dois dias para aclimatação e após seguimos para a região de Puno(Lago Titicaca) que tem 3827m. Durante o percurso alcançamos uma altitude de 4300 metros, nos limites entre as regiões de Cusco e Puno. Com isso fomos nos aclimatando aos poucos e quando chegamos na região de Machu Picchu, ja estávamos bem aclimatados com a altitude e não tivemos nenhum problema com ela.

 

Para auxiliar na aclimatação é necessário se adaptar ao clima local, temperatura e afins, para isso, Márcio, que é montanhista de longa data, já está ciente e conta como montou a sua checklit:

Como em toda viagem para regiões montanhosas e frias, o ideal é sempre estudar bem o clima e temperaturas da época em que se vai visitar. No Peru por sua vez no final do mês de maio iríamos precisar de muitas roupas de inverno.

Com isso nos preparamos com uma boa segunda pele, agasalhos 3 em 1, calças windstopper, luvas, gorros e meias térmicas. Isso para nos garantir um mínimo de conforto durante nossas idas e vindas pelo país.

 

Falando agora em logística de viagem, Márcio contou com o exímio planejamento da esposa Cecília para não perder tempo:

Toda logística foi feita por minha esposa Cecília. Como iríamos visitar diversas regiões do país antes de irmos para Machu Picchu, foi preciso pensar em cada detalhe para que não perdêssemos tempo em deslocamento de uma região para outra, e que também não sentíssemos tanto a altitude.

Logística essa muito bem elaborada por ela, e quando chegou a vez de irmos para Machu Picchu não foi diferente, tudo se encaixou perfeitamente no tempo de cada atividade. Juntos decidimos passar uma noite na cidade de Ollantaytambo, que é a única cidade da era Inca no Peru ainda habitada.

Em seus palácios vivem os descendentes das casas nobres cusquenhas. E de lá se pega o Trem para Machu Picchu Pueblo ou Machupicchu, também conhecido como Aguas Calientes. É uma cidade no Peru às margens do rio Urubamba, cujo nome em quéchua é Machu Pikchu. De lá se pega os ônibus para o sítio arqueológico de Machu Picchu, onde se fazem as visitas nas antigas ruínas deixadas pelos povos Incas. Realmente um passeio incrível.

 

Para aqueles que pretendem ir ao país cusquenho, a dica do Márcio é não se limitar à Machu Picchu:

A dica para quem vai visitar Machu Picchu é que se programem para ir conhecer como nós, os diversos parques arqueológicos Incas e deixar Machu Picchu por último para que então possam conhecer ao máximo as diversas formas de vida, trabalho e cultura dos povos Incas.

Outra dica é que façam o esquema de levar uma mochila grande com tudo o que vai precisar no Peru, sempre deixando-a no hotel em Cusco, para onde sempre retornamos de nossas viagens por lá. De lá sempre seguíamos as viagens com mochilas pequenas de 26 a 30 litros em média, pois a maioria dos passeios são de 1 a 2 dias e não justifica ficar carregando grandes mochilas por todo canto. Os hotéis estão acostumados a guardar essas mochilas durante o tempo que você vai estar fora de Cusco.

 

E para finalizar, Márcio contou para a gente o que ele achou da viagem:

Sensacional, com certeza um dos lugares mais incríveis que conhecemos. As cores, energia e sorrisos são o que de fato definem o Peru que luta para manter viva a cultura milenar dos Incas. A perseverança do seu povo encontra-se em cada detalhe do artesanato colorido, na música típica andina, nos costumes culturais e na diversidade gastronômica daquele país.

As paisagens deslumbrantes que mais parecem ter saído de quadros pintados por renomados artistas deixam os turistas extasiados com tamanha beleza como no Lago Titicaca, onde os azuis do céu e do lago se confundem no horizonte. Os picos que parecem ser pintados de branco ao fundo das belíssimas montanhas.

A intensidade do verde das Florestas, os rios caudalosos cheios de corredeiras que vemos percorrer todo Peru são de tirar o fôlego de quem ama e admira a natureza.

 

Quem aí já foi ao país está convidado a deixar dicas nos comentários para ajudar aqueles que querem realizar esse sonho!