As mulheres estão cada vez mais se reconhecendo e tomando o seu lugar de direito em diversas atividades, sejam elas políticas, culturais ou de lazer.



Nunca se falou tanto sobre a igualdade de gênero e o fato de que lugar de mulher, é onde ela quiser.

Ainda não é fácil. As mulheres ainda não são maioria em questões que envolvam liderança. Mas, um passo de cada vez, estamos finalmente chegando onde queremos. E cada uma quer chegar em um lugar diferente da outra. Cada uma criando seu próprio caminho.

Hoje vamos contar uma história de duas amigas que se tornaram pioneiras em BH na prática autônoma de um esporte que quase sempre é dominado por grupos e líderes masculinos: O rapel.

A história do ANcoragem 154 começou com uma brincadeira. Duas mulheres, que já praticavam rapel há algum tempo e querendo aprender mais, se juntaram e começaram uma jornada que tem tudo para ser longa, incrível e cheia de adrenalina!

De onde surgiu a ideia?

Talvez o cenário de pandemia tenha contribuído, uma vez que a prática de atividades em grupos se tornou desaconselhável, mas analisando as características que elas têm em comum, a dupla seria construída em algum momento de qualquer forma.

Dirce Costa e Thaís Ferreira (uma ambientalista e a outra estudante de veterinária), duas mulheres de 1,54m (daí vem o 154 no nome), resolveram um dia encontrar para bater papo e daí veio a ideia:  por que não “nas cordas”?

A dúvida ainda surgiu entre elas, como duas mulheres sozinhas iriam fazer a ancoragem?

Para isso, buscaram amigos e conhecimento.

E a parceria começou desta forma, em uma manhã de domingo, com equipamentos emprestados, e com o único objetivo de distraírem fazendo uma coisa que elas gostam muito.

Perceberam que combinavam muito bem em muitas coisas e que o hobby poderia se tornar uma atividade mais ativa, séria e organizada.

A partir daí, adquiriram mais equipamentos e conhecimentos.

Elas se tornaram, com muito orgulho, a primeira dupla de mulheres de BH que possuem equipamentos, conhecimento e autonomia para a prática de atividades verticais.

Estão sempre em atividades, em alguma ponte ou cachoeira, com disposição e convidando amigos para praticarem juntos.

A dupla continua em busca do aperfeiçoamento.


O que é rapel?

Para a ANcoragem 154, o rapel é mais que uma aventura, é uma atividade que requer atenção, concentração, equilíbrio, cuidado e principalmente trabalho em equipe.

Pensando nesta concepção, essa prática feita por mulheres tem tudo para dar certo!

Para quem não tem familiaridade com essa atividade de aventura, rapel é a prática de descenso (descida) entre dois pontos através de uma corda. Para isso, são utilizados diversos equipamentos de proteção e específicos do rapel para uma prática segura.

Clique aqui e conheça um pouco mais sobre a atividade que ganhou um espaço tão importante na vida da Dirce e da Thais.