Superar limites, quebrar recordes(sejam recordes pessoais ou público) são propulsores de muitas pessoas, principalmente para atletas.

Realizar feitos inéditos é uma sensação incrível, mas alcança-los é uma tarefa árdua e exige que a pessoa supere obstáculos gigantescos. A pergunta para o início desse texto é: O que você estaria disposto a fazer  para quebrar recordes?

O americano Colin O’Brady, de 33 anos, ficou 54 dias no frio extremo para se tornar a primeira pessoa a cruzar a pé as terras geladas da Antártica.

O feito foi realizado em dezembro de 2018, porém o início dessa aventura aconteceu no dia 3 de novembro, juntamente com o militar britânico Louis Rudd, de 49 anos.

Norte-americano cruzou sozinho a Antártica com equipamento mínimo — Foto: @colinobrady/Reprodução/Instagram
  • Facebookhttps://www.facebook.com/saiadazonadeconforto.szc

Ao todo foram 1600 Km, sendo assessorado apenas por um trenó e muita roupa para o frio.

O feito foi tão grande, que o The New York Times caracterizou essa travessia como um dos ”’feitos mais notáveis da história polar”.

O militar britânico, que começou juntamente com o Colin, acabou ficando pra trás, perdendo a disputa.

 

Outras tentativas de cruzar a Antártica

Na década de 90, o norueguês Borge Ousland, atravessou pela primeira vez a Antártica sozinho, porém foi assessorado por uma vela, que o impulsionava em alguns pontos.

Mais recentemente(2016), o militar britânico, Henry Worsley, tentou essa travessia, porém acabou falecendo durante o percurso.

 

Os 54 dias foram registrados no perfil do Instagram do aventureiro norte americano, confira a postagem feita após a quebra do recorde:

View this post on Instagram

Day 54: FINISH LINE!!! I did it! The Impossible First ✅. 32 hours and 30 minutes after leaving my last camp early Christmas morning, I covered the remaining ~80 miles in one continuous “Antarctica Ultramarathon” push to the finish line. The wooden post in the background of this picture marks the edge of the Ross Ice Shelf, where Antarctica’s land mass ends and the sea ice begins. As I pulled my sled over this invisible line, I accomplished my goal: to become the first person in history to traverse the continent of Antarctica coast to coast solo, unsupported and unaided. While the last 32 hours were some of the most challenging hours of my life, they have quite honestly been some of the best moments I have ever experienced. I was locked in a deep flow state the entire time, equally focused on the end goal, while allowing my mind to recount the profound lessons of this journey. I’m delirious writing this as I haven’t slept yet. There is so much to process and integrate and there will be many more posts to acknowledge the incredible group of people who supported this project. But for now, I want to simply recognize my #1 who I, of course, called immediately upon finishing. I burst into tears making this call. I was never alone out there. @jennabesaw you walked every step with me and guided me with your courage and strength. WE DID IT!! We turned our dream into reality and proved that The Impossible First is indeed possible. “It always seems impossible until it’s done.” – Nelson Mandela. #TheImpossibleFirst #BePossible

A post shared by Colin O'Brady (@colinobrady) on

 

”Tudo parece impossível até que seja feito”

Nelson Mandela