3 fotos para refletir sobre a degradação do meio ambiente

A conceituada revista GO Outside separou algumas fotos premiadas no concurso Environmental Photographer of Year, que tem o objetivo de mostrar o estado atual do meio ambiente, focando em todas as frentes.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A premiação mostra como os seres humanos, animais e até os transportes estão sendo afetados pelas drásticas mudanças climáticas que estão acontecendo no mundo.

Para servir de exemplo, vamos pegar uma foto de cada:

Obs: O intuito desse texto é conscientizar, não estamos buscando de forma alguma ganhar vantagem em cima de situações vivenciadas por outras pessoas. Entendemos que o meio ambiente é uma casa para todos e todo o esforço para ajudar na preservação é válido. 

 

1 – End Floating – Transportes

A foto vencedora do ano de 2018 mostra um navio encalhado no Irã. A questão abordada nessa imagem é o fato de que com o aquecimento global, as secas estão cada vez mais frequentes e acontecendo mais rapidamente, inutilizando embarcações.

Além do aquecimento global, sistema de irrigações e projetos ilegais também auxiliam na seca do Lago Urmia.

 

2 – Floating Life on River Under Pollution – Seres Humanos

A poluição marítima é uma questão extremamente debatida em fóruns relacionados ao meio ambiente, inclusive pesquisas indicam que se o ritmo continuar acelerado em 2050, teremos mais lixo do que vida marinha nos oceanos.

No entanto, em Bangladesh, acho que os rios já morreram. Na foto podemos ver um comerciante de melancia deitado no seu barco, que se encontra cercado por lixo flutuando no rio Buriganga.

 

3 – Not in My Forest – Animais

Na foto podemos ver um primata abraçando uma garrafa, que como o próprio nome da foto diz, não pertence às florestas do macaco.

Entretanto, os humanos que realizam trilhas e/ou expedições nas mata de Bornéu, na Malásia, acabam deixando restos para trás, consequentemente afetando diretamente a vida selvagem local.

 

Existem milhares de fotos mostrando o quanto a degradação do meio ambiente é real, fotos que deixam qualquer um desolado, infelizmente a luta para reverter isso é árdua e muito difícil.

Porém, se cada um fizer a sua parte o mundo tem sim salvação, não podemos achar que essa briga acabou, pois está longe de ter um desfecho.

Conheça a campanha ”Abrace Brumadinho”

No dia 25 de janeiro, a cidade de Brumadinho, conhecida pelo seu turismo voltado para o museu do Inhotim, passou por uma catástrofe, já que a barragem Córrego do Feijão, da mineradora Vale, se rompeu e 12 milhões de metros cúbicos de lama devastaram a cidade, florestas, rios e vidas.



Após mais de 4 meses, mais de 200 pessoas morreram e dezenas ainda estão desaparecidas, sem contar aquelas que tiveram suas casas destruídas e vão ter que recomeçar do zero.

A cidade de Brumadinho, após o acidente, sofreu com a queda do turismo, já que por falta de informações corretas, os turistas acham que ainda há risco em visitar a região.

Esse risco, segundo as autoridades é zero, já que a lama que se direcionava ao principal ponto turístico, o Inhotim, ficou contida no rio Paraopeba, com isso, as visitas para o museu e para a cidade são seguras.

 

Turismo em Brumadinho

Após o rompimento, diversos hotéis e o museu ficaram fechados, por questões de seguranças, porém, mesmo após a reabertura o impacto do desastre é evidente.

O turismo na cidade caiu cerca de 80% e alguns hotéis ficaram dois meses sem hóspedes, tudo por conta do medo dos impactos pós rompimento e, claro da insegurança.

Porém, uma nova campanha chamada ”Abrace Brumadinho”, foi criada para tentar dar uma luz de esperança para a cidade.

 

Abrace Brumadinho

A campanha lançada pela Associação de Turismo de Brumadinho(ATBR) tem como principal objetivo resgatar o turismo local.

Segundo o presidente da ATBR, em entrevista para o portal O Tempo, a cidade está esperando  todos de braços abertos:

Queremos reforçar, com esta iniciativa, que a região está de pé e esperando ansiosamente para receber a todos

Vale ressaltar que Brumadinho é duas vezes maior que BH e, além do museu, é o berço de diversos parques ecológicos e trilhas, com fauna e flora exuberante

 

Para concluir, vale ficar atento em tudo que vemos na internet, há lugares que possuem sim barragem, mas que são seguros de visitar, então faça uma pesquisa, apure melhor os fatos, garantimos que você, após ler essa matéria, vai querer voltar para Brumadinho o mais rápido possível!

Você já visitou a região após o desastre? Conta como se sentiu e mostre para todo mundo que o lugar está sim seguro.

Conheça Son Doong, a maior caverna do mundo

Cavernas são ambientes usados pelos nossos antepassados como abrigo, servia para descansar, comer e se proteger dos perigos.

Os tamanhos são vários e cada uma possui uma peculiaridade, isso pode ser comprovado graças as pinturas rupestres, que são histórias contadas através de desenhos, onde essas histórias serviam para que os próximos visitantes ficassem cientes do que eles poderiam encontrar no local.

Milhares de anos depois, as cavernas ainda são ambientes usados para exploração, porém com a tecnologia que temos atualmente é muito mais fácil explorar mais afundo uma caverna do que antigamente.

Graças a isso, a caverna Son Doong ou ”caverna do rio da montanha” foi descoberta, para quem não conhece o lugar, é a maior caverna do mundo.

 

Son Doong

Para deixar claro, é a maior caverna do mundo que já foi explorada pelo o homem, segundo pesquisadores é bem provável que haja outras grutas maiores a serem descobertas.

A caverna conta com mais de 9 Km de comprimento, com cavidade medindo 200 metros de altura e 175 metros de largura, se equivalendo com um prédio de 40 andares.

O volume total da Son Doong é de 38,5 milhões de metros cúbicos, que é o equivalente a 15.400 piscinas olímpicas.

 

Muito grande, não é verdade? Segundo alguns pesquisadores, essa caverna pode ser ainda maior, já que em recente exploração foi descoberto um túnel que liga diretamente a outra caverna, a Thung Cave.

Essa ligação vai adicionar 1,6 milhões de metros cúbicos na conta da Son Doong, ou seja, mais 640 piscinas.

O que dificulta uma exploração mais precisa e detalhada são as épocas do ano próprias para a visitação, que se limita ao mês de abril, já que nesse período a caverna não sofre com as cheias e com isso, fica com uma visibilidade melhor.

Se você achou o lugar interessante, temos uma boa notícia para você, é possível realizar uma excursão na caverna, porém ainda é bem restrito o acesso, já que apenas uma companhia, a Oxalis, está legalmente capacitada para realizar as excursões.

Se você se interessou, basta entrar no site para informações mais detalhadas e precisas.

 

Já usou alguma caverna como local de acampamento? E qual foi a maior caverna que você já visitou?

Pedro Leopoldo Rodeio Show 2019 terá uma tirolesa Nerea!

Para quem gosta de muita farra e curtição, além de um bom sertanejo, o evento Pedro Leopoldo Rodeio Show é o lugar ideal para a curtição.

Para o show que vai acontecer em dois finais de semana de junho(7, 8, 14 e 15) são esperados mais de 100 mil pessoas.

 

Conheça a cidade de Pedro Leopoldo

Pedro Leopoldo, município que pertence a região metropolitana de Belo Horizonte, possui cerca de 70 mil habitantes.

A cidade está localizada a 46 km de distância da capital Belo Horizonte, ou seja, para quem tem interesse em visita-la a viagem é curta e tranquila.

Segundo pesquisas, a cidade possui os registros de ocupação humana mais antigos da América, com datas de até 12 mil anos atrás.

 

Pedro Leopoldo Rodeio Show

E para deixar a cidade ainda mais atrativa, no mês de junho acontece o Pedro Leopoldo Rodeio Show, um evento que reúne muita música, bebidas das mais diversas e uma variedade grande de entretenimento.

Nesse ano, buscando aumentar o leque de atrações, os organizadores decidiram montar uma tirolesa e chamaram a equipe Nerea de monitores.

Vale reforçar que o evento acontece nos dias 7, 8, 14 e 15 de junho.

 

Conheça a equipe de Monitores Nerea

Equipe composta por profissionais especializados em montagem de atrações como tirolesa, parede de escalada, rapel e circuito de aventura.

Além disso, esse monitores estão em constante treinamento e presentes em cursos, para cada vez mais melhorar o atendimento prestado.

Outro diferencial da equipe é que os equipamentos usados na construção das atrações possuem certificados e são fabricados dentro de rígidas normas de segurança, o que faz com que a atração fique extremamente seguro.

 

Quem aí que gosta de tirolesa vai ao evento? Estão preparados para a nova atração do Rodeio Show?

Os viajantes preferem ideias para fotos do que roteiros, entenda

Recentemente realizamos um texto falando sobre como as selfies podem ser letais se os turistas focarem mais nela do que na viagem propriamente dita, inclusive no texto, mostramos uma artista que fez uma crítica a esses turistas.

Para mostrar ainda mais o impacto que uma foto faz em uma viagem, o site Hoteis.com realizou uma pesquisa com os viajantes que usam o serviço prestado por eles e constataram que 41,4% focam em procurar ideias de fotos no Instagram antes de um roteiro.

Até no local da viagem, a porcentagem de pessoas que focam nas fotos também são grandes: 55% colocam o celular em um lugar e ativam o timer, 45% pedem para um estranho para tirar a foto e 34% passam horas editando fotos no quarto do hotel.

Outra porcentagem que chama atenção é que 36% das pessoas presentes na pesquisa, acordariam de madrugada para tirar uma foto sem multidão ou contratariam um fotógrafo profissional para realizar o ensaio.

 

Para fazer inveja ou curtição?

As redes sociais passam uma sensação utópica para as pessoas já que durante o trabalho podemos postar uma foto tirada em Paris. Isso causa uma sensação de inveja nas pessoas ”pô, eu queria estar ali”.

E a pesquisa realizada pelo site confirmou que 90% do público entrevistado por eles curtem as fotos que os deixam com inveja, ou seja, vale o questionamento, está tirando a foto para aproveitar o passeio e guardar de recordação ou para postar e fazer inveja nos outros?

Por quê esse questionamento? A pesquisa mostra que fotos de comida ocupam 49% do feed e fotos de pernas na piscina ou na praia ocupam 39% do feed, levantando aquela desejo de ”queria comer aquilo” ”queria estar naquela piscina”, porque um prato de comida ou simplesmente pernas não são fotos interessantes de se ver, a menos que você esteja em um restaurante em Paris ou em uma praia em Aruba. Sacaram onde queremos chegar?

Muitas vezes as pessoas deixam de aproveitar o lugar, a essência de ver uma Torre Eiffel de perto para simplesmente tirar uma foto perfeita do lado do monumento e causar inveja nos seus seguidores.

 

A era das fotografias

Antigamente, para tirar uma foto era necessário toda uma preparação, ou seja, o momento perfeito para o clique perfeito, não podia errar já que se acontecesse alguma coisa, a chance de tirar outra foto igual seria quase que zero, até para ver como a foto ficou era difícil, precisava revelar e não era possível ver na hroa.

Com a evolução e a facilidade de tirar uma foto, os cliques ficaram quase que obrigatórios, mesmo que o lugar que você esteja indo não tenta importância, se a foto ficar feia, ela é simplesmente descartada. Simples assim!

Em 2012, uma pesquisa mostrou que em 2 minutos tiramos mais fotos que todo o período do século 19, imagina agora, 2019, quantas milhares de fotos não tiramos a mais?

* não vamos nos aprofundar aqui pois os números já estão bastante desatualizados

 

Lembrando que não queremos que vocês parem de tirar fotos, apenas que aproveitem mais o passeio e deixa a foto para um momento especial, já que o intuito da foto é esse, eternizar um momento.

* a pesquisa foi realizada com 500 viajantes brasileiros, sendo 309 mulheres e 191 homens.

Créditos: Hoteis.com

Teleférico no Kilimanjaro e polêmica, entenda

O governo da Tanzânia, berço do Monte Kilimanjaro, anunciou que vai construir um teleférico que vai ligar a base até o topo do maior monte da África e isso gerou revolta por parte de algumas classes, que serão diretamente afetadas pela construção do teleférico.

 

Kilimanjaro

Considerado o maior monte da África com 5.895 metros de altitude, o Kilimanjaro possui uma média de 50.000 visitantes por ano.

Kilimanjaro ergueu-se no meio de uma planície, com isso, o visual plano tomado por um gigante de rocha é único. Antigamente, o monte era um vulcão, hoje desativado o topo é coberto de neve.

O Kilimanjaro está na lista Seven Summits, que engloba os maiores montes de cada continente, não os maiores do mundo.

 

Seven Summits

Ao contrário do que muitos pensam, a lista Seven Summits está os montes mais altos de cada continente, não do mundo.

No entanto, a lista sofre contradições, pois há três versões:

  • Everest, Aconcagua, Denali, Kilimanjaro, Elbrus, Kosciusko e Vinson
  • Everest, Aconcagua, Denali, Kilimanjaro, Elbrus, Puncak Jaya e Vinson
  • Everest, Aconcagua, Denali, Kilimanjaro, Mont Blanc, Kosciuszko e Vinson

Agora que já conhecemos um pouco mais sobre o Kilimanjaro e o fato deles estar na Seven Summits, vamos para a polêmica.

 

Construção do teleférico e polêmica

A principal fonte de renda da Tanzânia é o turismo ligado aos safáris e ao Kilimanjaro, como citado no início do texto, só o monte recebe cerca de 50.000 visitantes.

Então, para ajudar a fomentar o turismo, as autoridades querem a construção de um teleférico,  já que com o transporte, a estimativa é que o número de visitantes anuais dobre, indo para 100.000.

Porém, enquanto o governo está rindo à toa, há um furdunço em algumas comunidades alegando que com o teleférico a essência do monte vai sumir, pois as pessoas vão parar de subir da maneira tradicional.

Além disso, cada subida emprega cerca de 15 pessoas desde guias a cozinheiros, com o teleférico, essas pessoas correm o risco de perderem o emprego.

 

Mesmo com bastante revolta o teleférico está próximo de ser concretizado, qual a sua opinião a respeito de um transporte ligando a base até o topo? Você subiria o monte Kilimanjaro pela maneira tradicional ou usaria o bondinho para chegar lá em cima ”tirar onda” e descer?