5 paisagens surreais presentes em Game of Thrones

Game Of Thrones  está na oitava e última temporada, durante quase 10 anos, a série ficou marcada por faturar dezenas de premiações a cada ano que passa, além das premiações, GOT movimenta uma legião de fãs que ultrapassa os milhares!

Porém, os números não são os únicos propulsores de Game of Thrones, as belas paisagens paisagens usadas como cenário também chamam muita atenção pela sua beleza, levantando até questionamento se o local realmente existe!

Temos boas notícias para você, as paisagens são reais e vamos listar algumas delas aqui!

 

Praia de Itzurun – Espanha

Imagem relacionada

Na série, a praia abriga a sede da casa Targaryen e se chama Pedra do Dragão, fazendo alusão a ligação que os integrantes daquela casa têm com os gigantes voadores.

No mundo real, a praia está localizada na Costa Basca e é famosa pela prática de surfe e stand up.

Além da prática dos esportes aquáticos é possível conhecer 60 milhões de anos de história geológica ou realizar uma longa caminhada pelas trilhas costeiras. Segundo os locais, a praia é abençoada e protegida pelo Ermida de San Telmo, o santo padroeiro dos pescadores.

 

Reynisfjara – Islândia

Resultado de imagem para Reynisfjara

A Muralha, local de atuação da patrulha da noite, onde Jon Snow passou uma parte da série também está presente na nossa lista.

Mais precisamente a fortaleza conhecida como Reynisfjara, está localizada ao leste da Muralha.

Na Islândia, o local é cercado por lendas urbanas. Comum pelas formações rochosas peculiares, os islandeses falam que em cada formação vive um ”troll”, criatura que, segundo os locais, chegou até a região após viajar clandestinamente nos navios vikings.

Por serem feios, eles se escondem nas cavernas e não gostam do contato com os humanos. Na região, você pode subir até o topo do Reynisfjara e contemplar a vista de uma praia negra e do mar ou visitar a caverna Halsanefshellir.

 

Vales de Antrim – Irlanda do Norte

travel

Local marcado pelo treinamento do Robin Arryn, os Vales Antrim são constantemente visitados por montanhistas, já que possui 128 Km de trilhas que passam por vales verdes e por diversos penhascos.

A jornada costuma durar 3 dias e as noites são passadas em pousadas extremamente peculiares. Além disso, a caminhada pelo Vale de Antrim proporciona a visita ao Fair Head, local onde Jon Snow e Daenerys começaram a traçar a sua história.

 

Thingvellir Nationl Park – Islândia

Resultado de imagem para Thingvellir National Park

O local ficou marcado pelo confronto do Cão de Caça contra a Brienne de Tarth e, na vida real, é marcado pela excursão realizada em cima das placas tectônicas da América do Norte e da Eurásia.

Além disso, o Thingvellir National Park é marcado pela presença de diversas quedas d’águas, com isso é possível realizar mergulhos no local, o primeiro ponto para se realizar um mergulho é na divisão continental, onde a água é cristalina.

 

Bardenas Reales – Espanha

Resultado de imagem para Bardenas Reales

Voltando para a Espanha, dessa vez no local conhecido por ser o campo dos Dothrakis, o parque natural de Bardenas Reales possui 104.000 acres e pode ser melhor explorado em cima de uma Mountain Bike.

Além da bicicleta, há a possibilidade de realizar trekking, mas as trilhas são extremamente difíceis, além do clima judiar muito, há descidas e subidas desafiadoras.

 

Essas são algumas paisagens presentes na renomada série Game of Thrones! Diz aí, você assiste essa série? Gostaria de visitar esses lugares?

Conheça a Corrida Canina

O cachorro é conhecido como o melhor amigo do homem, por isso, no Brasil há cerca de 30 milhões de cachorros de estimação e em 44% dos lares possuem pelo menos um cachorro.

Porém, ter um cachorro não significa deixa-lo largado o dia inteiro, precisa cuidar, brincar e praticar atividades físicas como passear diariamente com o seu amigo canino, tudo isso para que o animal tenha conforto, saúde e bem estar.

É comum notarmos diversas pessoas passeando com os seus cachorros nos grandes centros urbanos, principalmente em faixas exclusivas para esse tipo de atividade.

Pensando nos praticantes de esporte de aventura que são donos de cachorro, a Go Outside, renomado portal de notícias do meio outdoor, vai promover uma corrida canina. Não acredita? Então, vem com a gente e confira os detalhes.

 

Corrida Canina

A corrida vai acontecer nos dias 3 e 4 de Agosto, em Campos do Jordão(SP) e vai aproveitar o festival Rocky Mountain Games para promover a corrida canina.

A corrida vai conter 5 km de extensão e vai ter características de um trail run, ou seja, caminho de terra, então esteja preparado.

Haverá um ponto de hidratação e o animal precisa estar com coleira. Não é permitido coleira retrátil.

Para finalizar, mais dois detalhes importantes. Os cuidados com os animais são de responsabilidade dos donos, o evento não vai disponibilizar atendimento veterinário.

E por último, para realizar a inscrição, é necessário pagar uma taxa de 139 reais.

 

Donos de cachorro, gostaram da notícia? Vão levar o seu melhor amigo com você?

Vale lembrar que o cachorro também precisa estar em forma, ou seja, os treinamentos terão que ser realizados em dupla.

Great Blue Hole: O destino ideal para os mergulhadores

O oceano é um lugar muito belo e diversos exploradores sonham em desbravar cada centímetro dos mares, porém os oceanos são lugares que não conhecemos quase nada e isso ainda deixa alguns aventureiros curiosos e, de certa forma, incomodados.

Só para constar, 95% do oceano não foi explorado e 90% não foi mapeado. A falta de informação e inúmeras teorias ajudam a reforçar a existência de criaturas pré-históricas como o Megalodon.

Além de animais que são fomentados pelos mitos, alguns fenômenos também chamam bastante a atenção dos mergulhadores, como o Great Blue Hole.

 

Great Blue Hole

É o maior buraco oceânico do mundo com 300 metros de largura e 124 metros de profundidade, mas o que chama atenção nele é a perfeição da sua circunferência, algumas pessoas, amantes de teorias da conspiração, afirmam que o buraco foi feito por alienígenas.

A real é que o Great Blue Hole se formou como uma caverna de calcário e ficou submerso durante a última era glacial.

Vale ressaltar que o local não é o ponto mais fundo do oceano, atualmente o lugar mais profundo se chama Fossa das Marianas e possui 11 mil metros de profundidade.

Falando agora de coisas boas, por mais que o buraco seja intimidador, qualquer pessoa pode mergulhar, no entanto recomendam uma certa experiência na área.

Segundo alguns mergulhadores, o local possui uma boa visibilidade e não possui correntes, o que facilita a prática de mergulho, porém o visual sombrio e a profundidade do lugar pode intimidar os mais novos.

 

Como mergulhar no Great Blue Hole?

Bom, é relativamente fácil mergulhar no local na questão de acessibilidade, porém a experiência e o ritmo de mergulho, ou seja, não pode estar parado, são fundamentais para as empresas te deixarem mergulhar.

Através de pesquisas, recomendamos duas empresas a Frenchie e Belize Diving Services. Em questão de serviços, a Belize Diving Services é melhor, porém o preço é extremamente elevado e mergulhadores inexperientes só descem 24 metros.

Já a Frenchie é mais barata, possui bons equipamentos e permite com que os mergulhadores desçam até os 40 metros.

 

Fauna do Great Blue Hole

Tubarões, Raias, peixes dos mais diversos são predominantes na região. A boa notícia é que os tubarões não são agressivos, pois são considerados tubarões de arrecifes.

Além dos peixes, existem uma vasta imensidão de corais que deixam a região com um visual incrível.

 

Viagem até o Great Blue Hole

Se tem mergulhadores, tem barcos prontos para navegar até a região. A viagem é tranquila, porém se o mar estiver um pouco agitado, o percurso pode se tornar desconfortável.

Os barcos começam a zarpar de Belize pela costa Caye Caulker antes do sol nascer, normalmente as cinco da manhã. É interessante pegar esses horários pelo fato de ser o primeiro a chegar no Great Blue Hole e conseguir mergulhar tranquilamente.

 

Para aquele mergulhador que quer superar limites e iniciar uma nova era, o Great Hole Blue é ideal!

 

 

Dicas para aproveitar o feriado de páscoa ao máximo

Depois do rompimento da barragem córrego do feijão, no dia 25 de janeiro de 2019, uma investigação em cima de outras várias barragens se iniciou e algumas estão em nível de alerta máximo, com isso as autoridades estão fazendo treinamento.

 

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

 

Com esses alertas e riscos de rompimento, o turismo em Minas Gerais está passando por diversas turbulências, afinal de contas, ninguém quer visitar uma cidade que esteja localizada perto de uma barragem.

Para evitar recordes negativos no turismo no feriado da semana Santa, a Defesa Civil está trabalhando para liberar os roteiros turísticos e não comprometer o feriado de ninguém.

Para isso, a Defesa Civil avisou que os turistas podem viajar para cidades como Ouro preto e Mariana sem medo algum. O que está sendo feito pela Defesa Civil?

 

Mapeamento

O órgão público está estudando as áreas e possíveis locais onde a lama pode chegar em caso de rompimento, impedindo ou limitando a entrada nesses locais.

 

Monitoramento

A Defesa Civil reforçou o monitoramento nas áres de maior risco e nas áreas atingidas em cheio pelo o último rompimento, deixando agentes 24 horas ativos e preparados para agir.

Um exemplo disso é a BR 356(via de acesso a Ouro Preto e Mariana), que está no sistema de PARE e SIGA com agentes operando 24 horas pra garantir a segurança e evitar maiores transtornos.

 

Informação

Com um fluxo de notícias extremamente gigantesco, muitas informações vazadas são falsas, por isso a Defesa Civil procura emitir notas e alertas avisando sobre os reais perigos das barragens.

O Inhotim é um dos pontos turísticos mais prejudicados pelo rompimento, além de ter ficado fechado por 15 dias, teve o fluxo de visitas reduzido em 40%. Para tentar ajudar o maior museu a céu aberto no mundo se reerguer, a Defesa Civil alerta que o local é seguro para visitação, já que a lama que se aproximou dele ficou contida no fluxo do rio paraopeba.

 

Você, turista que estava com receio de sair para o feriado da semana Santa, confira as dicas e as informações emitidas pela Defesa Civil e saiba como aproveitar o feriado da melhor maneira possível.

Tudo sobre a primeira bicicleta de plástico

O mundo vive buscando solução para retardar os impactos ambientais causados pela produção e pelo descarte massivo de diversos produtos, principalmente o plástico, que é usado na confecção de diversos itens como canudinhos e garrafas pets.

Pensando em criar algo autossustentável, o artista plástico Juan Muzzi iniciou uma pesquisa em 1998 que tinha com intuito de criar materiais para matéria prima, após diversos testes e aprovação do INMETRO e pantenteada na Holanda, Muzzi tem em mãos a primeira bicicleta de plástico do mundo.

 

Mais detalhes sobre a bicicleta de plástico

A bicicleta possui o quadro feito de plástico, que vem da reciclagem de garrafas pet. A bicicleta é feita sob encomenda, então para adquirir uma peça, você precisa entrar me contato com a empresa que atua em São Paulo, a Muzzi Cycles.

Por possuir diversos modelos feitos sob encomenda, os preços variam a partir de 680 reais, após encomendar é necessário esperar em uma fila para que ela seja finalmente enviada.

A bicicleta de plástico é mais resistente, flexível e mais barata. A resistência vem do fato dela não enferrujar igual as tradicionais, a flexibilidade está ligada ao material usado para produzi-la, pois o plástico já mais macio que o material tradicional.

A fabricação demora cerca de 2 minutos para ser finalizada e são necessárias 200 garrafas para ser feita.

 

Redução dos impactos ambientais

Com os recursos que temos hoje em dia, conseguimos reciclar: 15.840.600 kg de materiais plásticos, que são transformados em 132 mil bicicletas.

Isso evita que despejemos 5.738.227 kg de co2 na atmosfera, ou seja, a produção dessas bicicletas não influenciam no efeito estufa.

 

Como é produzida a bicicleta de plástico reciclado

Para se produzir a bicicleta o material plástico usado é cortado e triturado, até virar pequenos grãos. Após isso, os pedacinhos recebem adição de químicos que vão proteger o plástico da ação dos raios UVs.

Após isso, o plástico é jogado em um molde e depois de alguns minutos está feita a bicicleta.

 

Curtimos a ideia, será que veremos essas bicicletas com frequência rodando pelo Brasil e pleo mundo afora? Esperamos que sim!!

 

 

Curso de Rapel e Técnicas Verticais Outdoor – Nível 1

Sair da rotina está cada vez mais comum entre os que vivem em zonas urbanas. As práticas de atividades esportivas outdoor fazem bem para o corpo e mente, de forma que sair da rotina para praticar esportes outdoor seja uma excelente opção para fugir da zona de conforto, relaxar e curtir bons momentos na natureza.

Belo Horizonte recebe nos dias 24 e 26 de Maio, o primeiro ”Curso de Rapel e Técnicas Verticais Outdoor – Nível 1” para quem deseja curtir 3 dias de aventura e sair completamente da rotina para a natureza.

Ministrado pela escola vertical Liga Rapel, o curso incluirá aulas teóricas realizadas na Loja Nerea de Aventura, localizada no Bairro Anchieta, prática em campo em uma pedreira desativada em Contagem – MG, a 25 minutos do centro de Belo Horizonte e prática em Cachoeira nas imediações de Belo Horizonte.

 

Conheça o Liga Rapel

O Liga Rapel é uma escola vertical localizada em Belo Horizonte  com alunos de todo o país, incluindo esportistas(escaladores, praticantes de rapel  e canionistas) e profissionais(geólogos, espeleólogos e alpinistas industriais) que desejam aperfeiçoar suas técnicas ou que desejam iniciar nas atividades do zero.

 

Curso de Rapel e Técnicas Verticais Outdoor – Nível 1

O primeiro dia de curso consiste em uma apresentação das técnicas verticais incluindo história e cultura, equipamentos básicos para a prática, colocação de equipamentos e montagem do extensor de segurança.

No segundo dia a turma irá aprender movimentação horizontal e vertical em áreas expostas a altura(no segundo dia já há prática de rapel).

No terceiro dia, a turma irá se dirigir para um campo outdoor onde haverá cachoeiras para prática do que foi aprendido nos dias anteriores.

Esta é uma atividade recomendada para o público de todas as idades que desejam sair da rotina da cidade grande e do stress e viver um fim de semana de aventuras e vivência vertical. Os cursos incluem equipamentos, material coletivo, apostila, seguro aventura e consultoria pós curso, além de permitir o aluno participar de expedições anuais pelo Liga Rapel, sem fins lucrativos.

 

Realização do curso: LIGA RAPEL – ESPORTES E ATIVIDADES AO AR LIVRE.

Supervisão: LIGA DESPORTIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Instrutor: GABRIEL FINELLI

Inscrições: REALIZAR A INSCRIÇÃO/ (31) 98636-2121