4 dicas para organizar a sua mochila para um trekking

Quando vamos praticar algum trekking ou acampar fora, levamos alguns itens para auxiliar na jornada e eles são armazenados em uma mochila.

Essa mochila tem como principal objetivo te deixar confortável, porém a má organização dela ou o excesso de peso pode fazer com que a sua aventura seja repleta de incômodos, já que o peso excessivo vai provocar dores nas costas e vai deixar o usuário da mochila desequilibrado, podendo ocasionar quedas.

Vamos listar algumas dicas para te ajudar a organizar a sua mochila da melhor maneira possível.

 

Minimalismo

Quando vamos viajar, queremos levar todo o nosso guarda roupa conosco, porém quando partimos para uma aventura temos que praticar o desapego, ou seja, poucos itens, mas itens essenciais.

Por isso que equipamentos 2 em 1, aqueles que realizam mais do que apenas uma função, são muito desejados.

Resumindo essa dica: Desapegue, leve apenas o essencial.

 

Use todos os espaços da mochila

Após separar todos os itens que você acha que são essenciais e mesmo assim ainda sobrou equipamentos fora da mochila, você pode estar precisando de uma mochila maior ou você está levando coisa demais.

Alguns trekkers mais experientes falam que após separar um inventário na mesa, na cama ou em algum lugar, leve apenas a metade daquilo que está separado.

Lembre-se, quer conforto e luxo? Fique em casa, em ambientes outdoor, você vai precisar sair da zona de conforto.

 

Carregue o seu peso

Principalmente com pessoas mais íntimas, vamos tentar agradá-las de alguma maneira, porém que não seja carregando peso extra para ela.

Carregue o seu peso, afinal você se organizou e se preparou para carregar o seu peso e a outra pessoa também passou por esse processo, então, nessa situação é cada um por si.

Salvo a exceção de uma criança que está acompanhada dos pais(ou responsável|), nesse caso os adultos ficarão encarregados de levar itens coletivos como barraca e afins, a criança apenas os pertences dela como roupa e calçado.

 

Itens pesados

Vamos tentar evitar o máximo possível levar itens pesados, mas quando não é possível deixá-los de fora é recomendado colocar eles o mais perto possível da coluna, para evitar que você ande com dois pontos de gravidade o seu e do item pesado.

 

Com essas dicas, você vai conseguir deixar a sua mochila mais confortável e menos pesada, te proporcionando muito conforto durante um camping e/ou um trekking.

5 trekkings mais perigosos do mundo

O mundo é um lugar que abriga trilhas incríveis e perigosas, porém é isso que atrai os trekkers mais ambiciosos. Então, pensando naqueles que adoram fugir da zona de conforto e superar limites, vamos listar algumas trilhas das mais perigosas do mundo.

 

Huayna Picchu – Peru

as-10-trilhas-mais-perigosas-do-mundo

A trilha que possui o horizonte mais belo de todas as trilhas que vão até a cidade Inca, porém é a mais perigosa também.

Pedras soltas e piso escorregadio são os principais motivos que levam os turistas a caírem, no entanto, a falta de preparo de alguns chama bastante a atenção, há visitantes que tentam subir usando chinelo.

Outro fator que deixa a travessia ainda mais perigosa é a inclinação que sobe 300 metros em menos de um quilômetro. Para subir a travessia é ”tranquila”, o problema, que deixa muitos turistas assustados é a descida.

 

Monte Hua Shan – China

as-10-trilhas-mais-perigosas-do-mundo

Trilhas com muita estrutura já deixam o trekker ansioso, agora imagina uma trilha, construída n lateral de uma montanha apenas com madeiras e pregos. Esse é o trekking do Monte Hua Shan, na China.

Esse percurso já é realizado há séculos e é marcado por trechos que quase não existem agarras, além de quem em alguns lugares as tábuas, que servem como chão, não estão presentes, com isso há a necessidade de usar buracos esculpidos na rocha para pisar e continuar o caminho.

Não existem números oficiais de óbitos, porém há uma estimativa que mais de 100 pessoas morrem por ano nessa travessia.

 

Kokoda Track – Papua Nova Guiné

as-10-trilhas-mais-perigosas-do-mundo

O caminho, na questão de descidas e subidas não é tão variado, mesmo que em alguns trechos a reta tranquila se torne em um imenso paredão, porém a questão aqui são os perigos da selva, que durante muitos anos foi palco de um confronto armado entre os chineses e os australianos.

Kokoda é marcada pelo trekking onde a lama vai até o joelho, raízes escorregadias que podem resultar em lesões, dias extremamente quentes, chuvas torrenciais que deixam a trilha com uma atmosfera parecendo uma sauna, noites frias e malária, que é comum na região.

Então, além da trilha que demora 11 dias para ser concluída(podendo variar de acordo com o ritmo de cada trekker), há outros fatores que exigem que o turista vá extremamente preparado para encarar a Kokoda Track.

 

The Maze – Utah

as-10-trilhas-mais-perigosas-do-mundo

Localizado a sudoeste dos Estados Unidos, a trilha The Maze faz parte da área mais remota do Parque Nacional de Canyonlands.

O nome The Maze(O Labirinto) está ligado pelo trekking possuir caminhos estreitos e de difícil acesso, além disso ainda conta com riscos de inundação repentina e quedas de pedras, que podem machucar os trekkers.

Graças aos perigos que a trilha representa, um forte projeto de conscientização, onde o principal objetivo é fazer com que os turistas optem por caminhos mais seguros e monitorados, foi aplicado na região.

O resultado do projeto é positivo, pois a taxa de mortalidade no local é quase 0, mesmo que ainda ocorra acidentes.

 

Cascade Saddle – Nova Zelândia

O país isolado, marcado por horizontes extraordinários não poderia ficar de fora dessa lista. Cascade Saddle, localizada no Parque Nacional de Monte Asprin é um lugar marcado pelo chão escorregadio, que acaba surpreendendo diversos trekkers.

A morte de um alemão, em 2013, fez com que a vida do útil do Cascade Saddle ficasse em jogo, pois autoridades locais queriam fechar a trilha se não houvesse uma melhora na estrutura.

 

Todas essas trilhas são acessíveis ao público, algumas são tão perigosas que até as autoridades recomendam não realizar trilhas no local, como o The Maze, porém vai de cada um.

É interessante se preparar se preparar e estudar muito, mas muito mesmo sobre os equipamentos e sobre o local, para evitar surpresas desagradáveis.

Sua ambição é tão grande a ponto de você encarar alguma dessas trilhas? Deixe a resposta nos comentários e fala qual foi o trekking mais desafiador que você já encarou?

5 fotos incríveis de lugares abandonados

Viajar o mundo nos faz conhecer lugares pitorescos, lugares que muitas vezes estão totalmente fora do roteiro de viagem comum e é sobre esses lugares que vamos falar hoje.

Mais precisamente lugares abandonados que são tão bonitos que servem tranquilamente como uma parada para a sua viagem, dá para pegar referência de desenhos, jogos e filmes e comparar com o lugar.

Obs: Como são lugares abandonados, não há muitas informações, mas vamos tentar colocar pelo menos o país onde eles estão presentes.

 

Hotel do Salto Tequendama – Colômbia

Na imagem, vemos um hotel construído em 1928, bem similar com as construções que vemos em filmes de terror, não é mesmo?

A construção ganhou essas atmosfera após ficar mais de 20 anos abandonada, mas atualmente já está reformada e funciona como museu.

No entanto, as autoridades responsáveis pela reforma mantiveram o ar de terror que envolve a construção. Quem aí tem coragem de visitar?!!

 

Mar Sem Fim – Antártica 

Essa foto(acima) é bastante divulgada, mas a história por trás dela não é tão comentada.

Esse barco afundado era uma embarcação de pesquisa brasileira chamada Mar Sem Fim, ele afundou após se chocar com pedaços de gelo, exatamente um mês depois de zarpar da Argentina.

Na época do acontecimento(2012), o barco era avaliado em torno de 700 mil dólares e pertencia ao jornalista João Lara Mesquista, dono da Rádio Eldorado(atual Estadão).

Já pensou em visitar o lugar onde o Mar Sem fim afundou? O barco não está mais lá, mas a história atraí turistas.

 

Estátua de Jesus Cristo Subaquática – Malta

Para aqueles que gostam de mergulhar, temos um destino sensacional, o mar mediterrâneo.

Mais precisamente nas Ilhas de São Paulo, onde uma estátua de Jesus Cristo está localizada debaixo d’água.

Ela foi esculpida pelo maltês Alfred Camilleri Cauch para homenagear a primeira visita do Papa João Paulo II à Malta, em 1990.

 

Ponte Abandonada – Localização Desconhecida

Essa ponte abandonada chamou a atenção pelo fato de possui semelhanças demais com o cenário do filme ‘Um Lugar Silencioso”, confira no trailer abaixo:

Construída no meio de uma floresta densa, a ponte abandonada já foi tomada pela fauna e flora do local, que mostraram a sua força após serem destruídos durante a construção da estrutura.

 

Lago Obersse – Alemanha

Localizado no estado da Baviera, perto da fronteira com a Áustria, o Lago Obersse é conhecido por possuir uma casa abandonada, que parece estar flutuando eternamente no lago.

Algumas pessoas brincam que quem construiu essa casa, adorava o desenho Coragem, O Cão Covarde pela semelhança entre a casa do lago e a do desenho e pelo fato das duas ficarem isoladas de tudo. O que acham?

Resultado de imagem para casa do coragem o cão covarde

Visitariam esse ponto turístico da Baviera?

 

Esses foram alguns locais abandonados que chamam a atenção pela peculiaridade do cenário criado pela mistura do abandono com a natureza.

São lugares que também são marcados por uma atmosfera bem similar a de um filme de terror. E aí, teriam coragem de visitar esses pontos turísticos? Já visitou algum com características parecidas? Conta para a gente como foi a sua experiência.

Conheça mais sobre o Mar Morto

O Mar Morto é um lugar muito conhecido por possuir uma água salgada e não ter vida graças a sua alta densidade de sais minerais, mas será que você realmente conhece o Mar Morto?

 

Mar Morto

Localizado no Oriente Médio, o Mar Morto possui uma extensão territorial de 650 Km², com isso ele faz parte de três países: Jordânia, Cisjordânia e Israel.

Graças a extração de água e a extração de potássio, o Mar Morto vem perdendo gradativamente a sua superfície.

Mesmo possuindo o nome de Mar Morto, ele não é um mar e sim um lago, que foi criado quando a crosta terrestre se esticou e criou uma fenda.

Mesmo com a fama de lugar salgado, o Mar Morto não é o lugar mais salgado do mundo, ele está em terceiro nesse quesito, porém é o mais fundo(desses três lugares), com 377 metros. Além disso, a região é considerada a mais baixa do planeta, estando localizada a 423 metros abaixo do nível do mar.

Com isso, podemos dizer que o Mar Morto é a  contra parte do Everest, que está localizada a 8.848 metros acima do nível do mar e é considerado o lugar mais alto do mundo.

 

Vida no Mar Morto

Graças a alta concentração de sais, não é possível existir vida ali, por isso o nome de Mar Morto.

No entanto é possível nadar, porém cuidado ao beber água, por ser muito salgada, pode fazer muito mal.

 

Flutuação

A alta densidade de sais no lago, faz com que o ato de flutuar seja feito com extrema facilidade.

Com isso, alguns turistas entram no Mar Morto apenas para ficar de barriga para cima curtindo o clima.

 

Mar Morto é bom para a saúde

Para aquele viajante que possui muitos problemas de pele, o Mar Morto é a solução, graças a presença de minerais como o Zinco, as águas do lago fazem extremamente bem para a pele.

Além de fazer bem para a pele, os minerais presentes na água controlam a pressão, asma e reumatismo.

A lama que é formada no local também é uma ótima aliada para a luta contra problemas dermatológicos.

 

E aí, conheciam essas curiosidades sobre o Mar Morto? Particularmente falando, acho que vou parar de passar hidratante e vou pular no Mar Morto!

 

Conheça a Rota 40, a estrada Argentina que atravessa o continente

Estradas, rodovias e similares são os principais elos para o início de uma aventura!

No entanto, há estradas que por si só já são uma aventura como por exemplo a rota 66, estrada americana famosa pelo fato de cruzar quase que por inteiro o país norte americano e também por ser representadas em filmes como Carros e Carros 2, ambos os longas pertencem a Disney.

Porém, a rota 66 não é a única que possui essa fama, a rota 40 da Argentina também tem uma mística parecida, porém é mais legal e vamos falar o porque.

 

Rota 40

Traçada em 1935, a rota 40 ou ruta 40 sofreu diversas modificações até chegar ao percurso que temos hoje.

A rota 40 é maior que a rota 66, possuindo 5200 Km de extensão contra 3940 Km da rodovia americana.

A rota 44 atravessa 11 províncias, 20 parques e reservas naturais argentinas, 236 pontes e vai do nível do mar até mais de 5000 metros de altitude. Com essa extensão, se você fez um road trip pela América do Sul, com certeza já passou por ela.

Além disso, a rota 40 sofre uma extrema variação climática, já que passa por desertos, florestas, glaciares e vulcões.

Outro fator que faz com que a Rota 40 seja tão especial ou até melhor que a rota 66 é a história e diversidade em relação à fauna. O trajeto passa por sítios arqueológicos que beiram os milhões de anos e possui uma fauna que marca presença no percurso.

 

Rota 66 ainda existe?

Sim, existe, o trajeto ainda está marcado em solo americano, porém não é mais uma estrada oficial do governo, com isso apenas alguns trechos recebem a devida manutenção.

Ela continua com os holofotes graças a uma ação de marketing do governo, lembrando do saudosismo que a estrada representa para eles.

Além disso, podemos dizer que ela foi substituída pela US Highway 20, que cruza o país, ao contrário da66, que não chega a cobrir os extremos territoriais.

Enfim, citamos exemplos de casos onde só de pegar a estrada você já está vivendo uma aventura. Ambas as rotas possuem um significado muito grande para suas respectivas populações e acabam entrando na vida de muitos turistas.

 

Conhece alguma outra estrada pitoresca? Aquela que tira o conforto de qualquer motorista não pelo perigo e sim pela beleza! Já visitou a Rota 66 e/ou a rota 40?

Dicas para subir a Rainbow Mountain

A mãe natureza proporciona para os viajantes paisagens e momentos únicos, além de diversas histórias para contar.

Algumas paisagens são tão magníficas que parecem um quadro de aquarela, como por exemplo a montanha Rainbow, localizada no Peru.

 

Rainbow Mountain ou Montanha Arco Íris

A montanha está localizada a 3 horas de Cusco, uma das principais cidades do país peruano.

A montanha possui esse nome, pois possui diversas colorações de pedras e areias e isso acontece pelo fato da composição mineralógica presentes nos montes.

Graças a isso, a montanha parece um retrato de uma pintura feita em aquarela, consequentemente atrai os olhares de turistas do mundo inteiro.

 

Subindo até o topo da Montanha Arco Íris

Para chegar até o topo da Rainbow Mountain é necessário subir 5 mil metros. Pode não parecer muita coisa, mas é sim muita coisa.

Para servir de comparação, o acampamento base do Everest possui 5 mil metros de altitude.

Com essas informações, vamos nos preparar para subir?

Para chegar lá pode ser a pé ou com tração animal, porém o ”burro de carga” não vai até o topo, mas só de andar 1km já ajuda, mas vale ressaltar que para contratar o animal é necessário pagar.

A estrutura para visitantes é muito boa, tornando a presença de um guia indispensável na questão de orientação, já que você sempre verá placas indicando o caminho.

No entanto, a presença de um guia te dará mais segurança na questão do mal de altitude, pois eles vão preparando para auxiliar os turistas que sofrem com a altitude.

Os guias normalmente levam consigo latas de oxigênio, água florida e álcool(cheirar o álcool alivia o mal de altitude).

 

Quais equipamentos levar para o trekking na Rainbow Mountain?

Pensa em um trekking comum, coloca muito mais intensidade e para de respirar em alguns momentos, é isso que vai ser subir a montanha arco íris, então você precisa de equipamentos e métodos para te proteger do sol, aliviar o mal de altitude e te dar energia.

Então, recomendamos a seguinte checklist:

  • Segundo pele
  • Calça confortável para caminhada
  • Bora para longas caminhadas
  • Corta Vento
  • Protetor solar e labial
  • Snickers(barras de chocolate ou cereal)
  • Álcool(para te ajudar a combater o mal de altitude)
  • Mochila própria para esse tipo de atividade

 

Com essas informações e dicas, chegar até o topo Rainbow Mountain é apenas questão de preparação. E aí, está preparado para encarar 5 mil metro de altitude?