Peru além de Machu Picchu

Um dos destinos mais famosos da América Latina é Machu Picchu, que está localizado no Peru e foi o destino da viagem do empresário Márcio Andrade do Vale e sua esposa, Cecília Luciana Resende.

Apesar do destino principal ser o sítio arqueológico mais conhecido da civilização Inca, ele conta que o país como um todo chamou muito atenção:

Não escolhemos apenas Machu Picchu e sim o país(Peru), pois possui uma natureza exuberante, além dos diversos sítios arqueológicos Incas, como: Qorikancha, Sacsayhua, Q’Engo, Puka Pukara, Tambomachay, Ollantaytambo e é claro o principal e maior que é Machu Picchu.

 


 

Machu Picchu

Para quem não conhece a cidade perdida dos Incas mais famosa do mundo, Machu Picchu é um sítio arqueológico que foi construído no século XV. Por ser mundialmente conhecido e historicamente importante, o local é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO.

Por ter sido encontrada apenas em 1911, o local se deteriorou muito e apenas 30% das construções estão em seu formato original. Bem organizada e dividida em área agrícola e área urbana, a qualidade das estruturas mostram um pouco da capacidade do Povo Inca.

Segundo a história da civilização, Machu Picchu foi planejada para a passagem do Deus do Sol.

Márcio fala que a aclimatação em relação a altitude aconteceu antes de Machu Picchu e em um ponto mais alto, então não teve problemas em relação a isso:

Desembarcamos em Cusco que tem uma altitude um pouco maior que Machu Picchu. Cusco tem 3399m(Machu Picchu está a 2400 metros de altura), onde ficamos por dois dias para aclimatação e após seguimos para a região de Puno(Lago Titicaca) que tem 3827m. Durante o percurso alcançamos uma altitude de 4300 metros, nos limites entre as regiões de Cusco e Puno. Com isso fomos nos aclimatando aos poucos e quando chegamos na região de Machu Picchu, ja estávamos bem aclimatados com a altitude e não tivemos nenhum problema com ela.

 

Para auxiliar na aclimatação é necessário se adaptar ao clima local, temperatura e afins, para isso, Márcio, que é montanhista de longa data, já está ciente e conta como montou a sua checklit:

Como em toda viagem para regiões montanhosas e frias, o ideal é sempre estudar bem o clima e temperaturas da época em que se vai visitar. No Peru por sua vez no final do mês de maio iríamos precisar de muitas roupas de inverno.

Com isso nos preparamos com uma boa segunda pele, agasalhos 3 em 1, calças windstopper, luvas, gorros e meias térmicas. Isso para nos garantir um mínimo de conforto durante nossas idas e vindas pelo país.

 

Falando agora em logística de viagem, Márcio contou com o exímio planejamento da esposa Cecília para não perder tempo:

Toda logística foi feita por minha esposa Cecília. Como iríamos visitar diversas regiões do país antes de irmos para Machu Picchu, foi preciso pensar em cada detalhe para que não perdêssemos tempo em deslocamento de uma região para outra, e que também não sentíssemos tanto a altitude.

Logística essa muito bem elaborada por ela, e quando chegou a vez de irmos para Machu Picchu não foi diferente, tudo se encaixou perfeitamente no tempo de cada atividade. Juntos decidimos passar uma noite na cidade de Ollantaytambo, que é a única cidade da era Inca no Peru ainda habitada.

Em seus palácios vivem os descendentes das casas nobres cusquenhas. E de lá se pega o Trem para Machu Picchu Pueblo ou Machupicchu, também conhecido como Aguas Calientes. É uma cidade no Peru às margens do rio Urubamba, cujo nome em quéchua é Machu Pikchu. De lá se pega os ônibus para o sítio arqueológico de Machu Picchu, onde se fazem as visitas nas antigas ruínas deixadas pelos povos Incas. Realmente um passeio incrível.

 

Para aqueles que pretendem ir ao país cusquenho, a dica do Márcio é não se limitar à Machu Picchu:

A dica para quem vai visitar Machu Picchu é que se programem para ir conhecer como nós, os diversos parques arqueológicos Incas e deixar Machu Picchu por último para que então possam conhecer ao máximo as diversas formas de vida, trabalho e cultura dos povos Incas.

Outra dica é que façam o esquema de levar uma mochila grande com tudo o que vai precisar no Peru, sempre deixando-a no hotel em Cusco, para onde sempre retornamos de nossas viagens por lá. De lá sempre seguíamos as viagens com mochilas pequenas de 26 a 30 litros em média, pois a maioria dos passeios são de 1 a 2 dias e não justifica ficar carregando grandes mochilas por todo canto. Os hotéis estão acostumados a guardar essas mochilas durante o tempo que você vai estar fora de Cusco.

 

E para finalizar, Márcio contou para a gente o que ele achou da viagem:

Sensacional, com certeza um dos lugares mais incríveis que conhecemos. As cores, energia e sorrisos são o que de fato definem o Peru que luta para manter viva a cultura milenar dos Incas. A perseverança do seu povo encontra-se em cada detalhe do artesanato colorido, na música típica andina, nos costumes culturais e na diversidade gastronômica daquele país.

As paisagens deslumbrantes que mais parecem ter saído de quadros pintados por renomados artistas deixam os turistas extasiados com tamanha beleza como no Lago Titicaca, onde os azuis do céu e do lago se confundem no horizonte. Os picos que parecem ser pintados de branco ao fundo das belíssimas montanhas.

A intensidade do verde das Florestas, os rios caudalosos cheios de corredeiras que vemos percorrer todo Peru são de tirar o fôlego de quem ama e admira a natureza.

 

Quem aí já foi ao país está convidado a deixar dicas nos comentários para ajudar aqueles que querem realizar esse sonho!

Conheça a campanha da Corona para conscientizar sobre a poluição marítima

O meio ambiente está passando por uma crise séria com diversos animais sendo ameaçados de extinção e ecossistemas podendo sumir por conta da poluição. Isso é só a ponta do Iceberg, se fôssemos falar tudo o que realmente está acontecendo, precisaríamos de semanas para montar um texto.

Já é comprovado que se o despejo de lixo nos oceanos continuar crescendo no ritmo que está, em 2050 os especialistas apontam que teremos mais plásticos do que peixes nadando nos sete mares.

Por isso, diversas campanhas com intuito de conscientizar a preservação do meio ambiente são criadas para tentar retardar essa degradação.

A bola da vez está com a campanha feita pela Corona em parceria com a Parley, SOKO, Mutato e Haute.

 

Plastic Doesn’t Belong in Paradise

A campanha foi desenvolvida com o intuito de auxiliar a preservação dos oceanos e as empresas criaram um muro de 15 metros de comprimento e 2 metros de altura para bloquear a entrada de uma praia.

Imagem relacionada

Vale ressaltar que esse muro foi construído com plásticos retirados da própria praia em apenas 3 dias. Juntamente com o muro, uma placa com os dizeres ”Um dia o lixo deixado na praia impedirá que você entre nela” também ajudou a campanha a mexer com as pessoas.

O movimento foi realizado na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, e foi a segunda parada da campanha no Brasil, a primeira foi em Fernando de Noronha.

A campanha também oferece um bate papo sobre a causa, para reforçar a conscientização e mostrando os impactos causados pela poluição marítima.

Até o final da campanha, mais de 20 praias serão limpas e outras várias mobilizações para combater o lixo nos oceanos acontecerão.

 

Para ajudar o meio ambiente, você não precisa fazer muito, basta fazer a sua parte e tentar ao máximo engajar os seus amigos e familiares a entrarem nessa também!

Poço do Soberbo – O lugar mais bonito da Serra do Cipó

A Serra do Cipó é um pólo turístico muito forte em Minas Gerais, atraindo turistas do mundo inteiro para a região. Além de ser cortado pela Estrada Real a Serra possui belezas naturais incríveis e hoje vamos falar do Poço do Soberbo, que está localizado no distrito de Lapinha da Serra.

Mas antes vamos contextualizar a Serra do Cipó, para vocês ficarem por dentro da região!

 

Serra do Cipó

A Serra do Cipó, localizada em Minas Gerais, é uma formação geológica que engloba diversos municípios e faz parte da província geológica da Serra do Espinhaço.

Sua principal característica são as formações de rochas arenosas que são consequências de depósitos marinhos que superam a marca de 1,7 bilhão de anos.

Para a fauna e flora brasileira, a Serra do Cipó é extremamente importante, já que é o divisor natural das águas da bacia hidrográfica, com isso possui um ecossistema muito diverso.

O lugar é marcado pela presença de uma rica história, pois possui diversos campos rupestres(ecossistemas localizados a mais de 900 de altitude) e sítios arqueológicos. Para preservar a região, foi criado o Parque Nacional da Serra do Cipó.

 

Porém, o texto de hoje não é sobre a Serra do Cipó no geral e sim sobre o Poço do Soberbo, o maior de toda a região.



 

Poço do Soberbo

O Poço possui 18 metros de profundidade e para chegar até o local você passa por belas paisagens, cachoeira e quedas d’água.

É considerado um dos lugares mais belos para se tirar foto, confira imagens feitas pelo nosso parceiro Frederico Castro:

 

Para chegar até o local é necessário muito preparo, já que a caminhada é exigente. A recomendação é começar a trilha bem cedo e de carro, pelo menos a primeira parte. Para começar a trilha recomendamos o caminho que liga a Cachoeira do Bicame, onde você vai conseguir ir de carro e deixa-lo em segurança, já que o mesmo tem estacionamento.

Outra dica para a trilha até o Poço do Soberbo é ir acompanhado com um guia, pois o caminho é labiríntico, com isso você pode facilmente se perder.

O lugar é repleto de história, e como estamos em Minas Gerais, todas elas estão ligadas a mineração. Nesse caso, o minério é o diamante que foi explorado por pouco tempo já que os garimpeiros ficaram na região por pouco tempo.

Há diversos relatos do que levou os garimpeiros a saírem correndo, porém nenhuma história é oficial. No entanto os fatos estão lá com máquinas, motores e instalações que ficaram para trás e agora servem como ponto turístico.

 

IMPORTANTE!

  • Para conhecer o Poço do Soberbo, é necessária uma autorização de entrada que deverá ser adquirida no receptivo turístico no povoado de Lapinha da Serra, pois a área tem acesso controlado de pessoas e exige a adoção de práticas de preservação ambiental para a proteção da natureza e do atrativo turístico. Lá, será necessário assinar um termo de responsabilidade de risco de visitação, visto que o local fica em uma propriedade privada e a trilha é de difícil acesso e em local remoto.
  • Por isso, reforçamos também que o passeio não deve ser realizado sem um guia que conheça a região. Na Lapinha da Serra há uma associação de guias turísticos, para facilitar a visitação dos diversos atrativos naturais e culturais da região.
  • As taxas cobradas variam para quem irá fazer a caminhada e retornar e para quem pretende pernoitar. Confira os valores no receptivo turístico da Lapinha da Serra.

Chile – O Destino para qualquer viajante

Quer um destino que te permite esquiar, ir na praia e visitar um deserto? Então vamos te mostrar o porque o Chile é o país ideal para você visitar.

O país localizado no litoral oeste da América do Sul, abriga belezas extraordinárias e permite experiências únicas.

Além de ser banhado pelo oceano pacífico, o Chile ainda conta com a cordilheira dos Andes, permitindo aventuras a níveis do mar ou aventuras na altitude.

Vamos citar algumas atividades variadas que você pode fazer caso o seu destino seja o Chile.

 

Vina del Mar

Resultado de imagem para vina del mar

Para quem gosta de praia, temos a Vina del Mar, destino muito frequente para os viajantes e até mesmo para os locais, principalmente nos dias mais quentes do ano.

Parecida com a Orla de Copacabana com calçadão, avenida movimentada e uma vida noturna bem agitada a Vina del Mar fica lotada durante o verão.

 

Estações de Esqui

Não gosta de lugares quentes? Tudo bem, no Chile você consegue visitar e até esquiar no Valle Nevado, local onde está localizado as principais estações de esqui.

O lugar oferece hospedagem e infra estrutura completa para turistas. Além do Valle Nevado, o turista ainda pode optar pelo Portillo ou Corralco.

Nos dois últimos, o turista vai esquiar em meio a grandes formações rochosas e perto da encosta de um vulcão Loquimay.

 

Deserto do Atacama

Resultado de imagem para deserto do atacama

O país latino americano também oferece um conhecido deserto, o Deserto do Atacama.

Para quem gosta de um cenário mais parecido com filmes de ficção, o lugar é ideal. No Atacama, os principais roteiros são o Valle de la Muerte, Valle de la Luna e os Gêiseres de El Tatio.

Para fechar com chave de ouro, os turistas são recompensados com paisagens extraordinárias.

 

Parques Nacionais

Torres del Paine e Nacional Lauca, dois parques nacionais que merecem a atenção dos turistas, o primeiro é focado mais no trekking, o segundo é voltado para os amantes de veículos 4×4.

Trilhas, horizonte exuberante e lagos cristalinos também deixam a marca registrada nos parques.

 

Ilha de Páscoa

Resultado de imagem para ilha de páscoa

Para aquele turista que adora teorias da conspiração, temos a Ilha de Páscoa, que fica isolada no oceano pacífico, mas pertence ao Chile.

Para se chegar até lá, é necessário pegar um voo que pode durar 15 horas, porém vale demais o passeio.

Além das esculturas, denominadas moais, há um horizonte litorâneo ímpar no lugar. Sobre as esculturas, algumas podem possuir 10 metros de altura e foram esculpidas em pedra vulcânica.

Para deixar a viagem ainda mais alucinante, é possível admirar a vista do vulcão Rano Kau.

 

Viram como o Chile possui uma variedade de destinos? É possível fazer de tudo no país sulamericano, basta se organizar direitinho e aproveitar o passeio.

Você aí que já foi para o Chile, conta para a gente se já visitou algum desses lugares e se gostou do país.

Conheça a campanha ”Abrace Brumadinho”

No dia 25 de janeiro, a cidade de Brumadinho, conhecida pelo seu turismo voltado para o museu do Inhotim, passou por uma catástrofe, já que a barragem Córrego do Feijão, da mineradora Vale, se rompeu e 12 milhões de metros cúbicos de lama devastaram a cidade, florestas, rios e vidas.

Após mais de 4 meses, mais de 200 pessoas morreram e dezenas ainda estão desaparecidas, sem contar aquelas que tiveram suas casas destruídas e vão ter que recomeçar do zero.

A cidade de Brumadinho, após o acidente, sofreu com a queda do turismo, já que por falta de informações corretas, os turistas acham que ainda há risco em visitar a região.

Esse risco, segundo as autoridades é zero, já que a lama que se direcionava ao principal ponto turístico, o Inhotim, ficou contida no rio Paraopeba, com isso, as visitas para o museu e para a cidade são seguras.

 

Turismo em Brumadinho

Após o rompimento, diversos hotéis e o museu ficaram fechados, por questões de seguranças, porém, mesmo após a reabertura o impacto do desastre é evidente.

O turismo na cidade caiu cerca de 80% e alguns hotéis ficaram dois meses sem hóspedes, tudo por conta do medo dos impactos pós rompimento e, claro da insegurança.

Porém, uma nova campanha chamada ”Abrace Brumadinho”, foi criada para tentar dar uma luz de esperança para a cidade.

 

Abrace Brumadinho

A campanha lançada pela Associação de Turismo de Brumadinho(ATBR) tem como principal objetivo resgatar o turismo local.

Segundo o presidente da ATBR, em entrevista para o portal O Tempo, a cidade está esperando  todos de braços abertos:

Queremos reforçar, com esta iniciativa, que a região está de pé e esperando ansiosamente para receber a todos

Vale ressaltar que Brumadinho é duas vezes maior que BH e, além do museu, é o berço de diversos parques ecológicos e trilhas, com fauna e flora exuberante

 

Para concluir, vale ficar atento em tudo que vemos na internet, há lugares que possuem sim barragem, mas que são seguros de visitar, então faça uma pesquisa, apure melhor os fatos, garantimos que você, após ler essa matéria, vai querer voltar para Brumadinho o mais rápido possível!

Você já visitou a região após o desastre? Conta como se sentiu e mostre para todo mundo que o lugar está sim seguro.